Cannes 2017 – Primeiro tapete vermelho

Hoje começou o Festival de Cannes 2017 e depois da estreia para a imprensa do documentário dirigido pela atriz inglesa Vanessa Redgrave sobre os refugiados na Europa, a noite lá teve o primeiro tapete vermelho com a estreia hour concours do filme Ismael’s Ghosts de um dos meus preferidos Arnaud Desplechin, com o elenco dos sonhos, Marion Cotillard, Charlote Gainsbourg e Louis Garrel.

Agora as lindas:

E mais cedo ainda teve pela cidade as deusas Marion Cotillard e Monica Bellucci.

Saiu o trailer + as novas de Blade Runner 2049.

Por enquanto dois posters novos, um do Gosling e um do Deckard, ops, do Harrison Ford.

Mais um teaser do trailer que será lançado amanhã, dia 8, segunda.

E chega logo dia 6 de outubro, o dia da estreia de Blade Runner 2049.

E o trailer é a coisa mais linda de todas, com boa parte do elenco aparecendo e um Jared Leto de morrer de felicidade.

Os melhores do ano. Até agora.

Pra quem não sabe, tenho postado no Facebook sobre um filme por dia esse ano.
Tenho um álbum lá com um textinho bem curto sobre o filme e mais o poster.
Já que hoje é julho e passamos do meio do ano, resolvi fazer uma lista com os meus preferidos até então.
Copio aqui o que escrevi lá.

17.01.2014
“Short Term 12”
Finalmente consegui esse filme que tanto procurei ano passado. Nem parece um filme americano de tão bom que é. História estranha com atuações lindas, mostra um centro de reabilitação de adolescentes fudidos e principalmente uma jovem que lá trabalha e sua vida… sem spoilers. Começa bem e termina melhor ainda. Uma gema.

21.01.2014
“Jovem e Bela”
Se a história da Bruna Surfistinha fosse boa, seria assim.
E se o filme da história da Bruna Surfistinha fosse pelo menos bom, seria esse.
François Ozon é O diretor francês. Não perca esse “Jovem e Bela”. Filmaço.

26.01.2014
“Borgman”
Depois de tanto filme “normal” americano é muito bom ver um bem doidão, esse holandês “Borgman”. Me lembrou muito o grego “Dogtooth” de uns anos atrás, o povo chama de surreal, mas pra mim é cinema fantástico. Imperdível.

30.01.2014
“O Conselheiro do Crime” *****
Fiquei muito mal por não ter visto no cinema mais essa obra prima do mestre Ridley Scott. Roteiro genial do outro mestre Cormac McCarthy. Elenco afiadíssimo. Um dos melhores do ano pra mim. Logo falo lá no blog com detalhes.

27.02.2014
” Only Lovers Left Alive”
PUTA FILME! Finalmente um filme de vampiros de novo pra adultos. Filosofia, piadas, sarcasmo, humor negro, sangue O negativo em taças de cristal, rocknroll, Tilda Swinton, Tom Hiddleston (e os 2 com os melhores cabelos de suas carreiras), direção de arte animal e a Tilda, ah, Tilda, como uma vampira velha e genialmente sábia. Precisava de um filme pop desses, viu.

06.03.2014
“A Band Called Death”
Dos docs que mais gosto são sobre bandas que desapareceram e por causa do filme voltam à ativa. Esse é um dos mais bacanas, história foda demais de uma banda punk de negrões nos anos 70 em Detroit. E como diz o poster, antes de existir punk, existia Death. IMPERDÍVEL!

02.04.2014
“Snowpiercer” “Expresso do Amanhã”
Filmaço. Dirigido pelo coreano que fez os ótimos “The Host” e “Mother”. E nesse ainda tem a Tilda numa história num futuro não tão absurdo onde tudo deu errado por causa do aquecimento global e um “povo” vive num trem meio que uma arca de Noé. Lindo.

14.04.2014
“O Congresso Futurista”
Um dos filmes de 2014: ficção científica, distopia, animação, Robin Wright, dirigido pelo grande Ari Folman da minha animação preferida “Valsa Com Bashir” (como eu conto aqui no blog). Eu adoro filmes que passam em festival e a imprensa diz que é estranho, bem doido. Esse foi é um desses filmes. Se ainda não viu, veja esse tapa na cara da sociedade cinematográfica.

19.04.2014
“O Homem Duplicado”
Sou o maior paga pau do Denis Villeneuve. E depois desse filme, adaptado de um dos livros mais bizarros do José Saramago, piso o chão que ele pisa. Jake Gyllenhaal tá muito bom, roteiro lindo, ousadia estética no ponto e o final mais lindo que poderia ter um filme desses. Um dos preferidos do ano.

26.04.2014
“we are the best”
Umas meninas cansadas da música chata que ouvem e da vidinha besta que vivem e dos idiotas da sua escola, resolvem montar uma banda punk e provar que o punk não morreu. só que elas tem 12 anos e moram na Dinamarca em 1980. filmaço do Lukas Moodysson, do ótimo “Lylia 4-ever” e “Bem Vindos”.

05.05.2014
“Le Week End”
Finalmente um filme bom! Escrito por Hanif Kureish, um dos meus autores preferidos (e amigo de infância do Bowie), o filme conta a história de um casal que vai para Paris comemorar seus 30 anos de casamento e um monte acontece. Nada como um casal de gigantes como principais com um bom roteiro. Quero me casar com a Lindsay Duncan e o Jim Broadbent, um dos meus preferidos faz tempo. Imperdível.

14.05.2014
“Narco Cultura”
Finalmente consegui assistir esse doc depois de muito procurar.O filme mostra a cultura dos narco corridos, meio que os proibidões mexicanos, ou as músicas feitas falando bem de traficantes e cartéis de cocaína mexicanos, os maiores e mais poderosos hoje em dia. O filme é foda, mostra tudo e todos mesmo. E o tamanho disso é muito maior do que eu imaginava.

21.05.2014
“Tatuagem”
Incrível que eu ainda não tinha falado desse filme antes, o melhor filme brasileiro desde “O Som Ao Redor”. Um clube gay de shows ótimos no meio do sertão nordestino durante a ditadura e dos censores e tudo mais, um soldado do exército se apaixona pelo ator principal e dono do “Chão de Estrelas”. Dzi Croquetes, Kiss, Ney Matogrosso, Divine, Liza Minelli e mais um monte de referência boa num puta dum filme. Veja JÁ se ainda não viu.

13.06.2014
“Tim’s Vermeer”
Finalmente vi o documentário do ano passado que mais queria ver. Pra um bom doc, um belo personagem: Tim é amigo dos mágicos Pen & Teller (que produziram e dirigem esse filme) e é um inventor, geek, doidão. Ele leu num livro que o pintor holandês Vermeer poderia ter utilizado de tecnologia para pintar seus quadros e não apenas ser um “simples pintor”. Tim, milionário e freak, pesquisou e chegou à conclusão que Vermeer usava lentes e um truque bizarro. E ele resolveu reproduzir isso e pintar um Vermeer, mas não sendo um artista e nunca tendo pego num pincel. O legal do filme é como esse cara meio que mistura arte e ciência, como quebra barreiras. O filme é demais, tem até o David Hockney (DEUS!) dando opiniões. Vale muito a pena.

30.06.2014
“The Punk Singer”
Como eu já disse aqui, um bom documentário depende primeiramente de um bom personagem com uma boa história a ser contada. Kathleen Hanna é uma dessas, talvez a mais importante mulher do rock americano, criadora do Bikini Kill que começou junto com o Nirvana, das Riot Grrrls, do Le Tigre, feminista, engajada, sem ser chata, com as melhores letras possíveis, importante pra caralho, casada com um Beastie Boy e… Assista que esse é só o começa da história dela. Um dos melhores filmes sobre música da história.