138/365 FIQUE COMIGO

Ah, as comédias francesas.

Fique Comigo é uma daquelas comédias que você acha que estão super bem encaminhadas e de repente, BAHM!, cai um astronauta no telhado e o filme só melhora.

Passado em um prédio na periferia de Paris, o filme começa com um problema de condomínio: o elevador precisa ser reformado.

Todo mundo topa, menos o morador do primeiro andar que diz que não precisa usá-lo e que por isso não quer gastar dinheiro.

Os condôminos resolvem que vão arcar com a parte dele mas que o figura não pode usar o elevador. Até que no outro dia ele sofre um pequeno acidente e tem que ficar de cadeira de rodas por um tempo e por isso, o que mesmo? Ele precisa usar o elevador escondido.

Mas esse é só o começo do filme, que dita o tom de Fique Comigo, uma comédia de humor negro, ou de um humor tipicamente francês, adulto, de canto de boca. E a partir daí as outras personagens que moram no prédio vão aparecendo: uma atriz de cinema que tem que explicar sua carreira pro moleque vizinho amante de cinema e não a conhece, o cara de cadeira de rodas que finge ser fotógrafo famoso porque se interessa pela enfermeira do hospital onde ele vai toda noite pegar comida; a mulher que mora sozinha e que cuida, sim, do astronauta americano que caiu no telhado do prédio que só fala inglês e se comunica como pode com sua anfitriã.

Historinhas boas que acontecem no mesmo lugar, o prédio, com aquela vibe que a gente gosta de filmes do Altman, de herói coletivo, sem personagem principal e com uma bela lição de uma estrela como Isabelle Huppert no meio disso tudo como a atriz solitária e mais a minha preferida Valeria Bruni Tedeschi e Michael Pitti.

95/365 O QUE ESTÁ POR VIR

O Que Está Por Vir é daqueles filmes franceses que o povo fala muito, quase nada acontece mas quando você se dá conta parece que você tá andando ao lado da Isabelle Hupert, que se merecia uma indicação ao Oscar seria por esse filme.

Isabelle é uma professora universitária de filosofia com uma mãe excêntrica, um marido também professor, filhos quase adultos, alunos que fazem greve, seu editor que está com uma time de marketing nova e ela não os entende, seu pupilo que está indo morar numa comunidade anarquista.

No meio de tudo isso ela vai levando sua vida, tentando se adaptar ao mundo mas sempre com um pé à frente tentando criar o que está por vir.

Um filme daqueles que um pequeno detalhe faz toda a diferença: a maior atriz francesa de hoje em dia, La Huppert.

Essa mulher que em princípio é só mais uma no vai e vem da vida, Isabelle faz com que essa mulher acabe sendo uma guerreira se safando dos dragões que vão aparecendo no seu dia a dia.

A heroína moderna dá a oportunidade à Isabelle de mostrar porque ela é grande e inesquecível.

De novo, isso sim que é filme, não aquele truque do estupro que foi indicado ao Oscar.

Problematizaram o poster do Festival de Cannes. (ATUALIZADA)

Todo ano, vai chegando o fim de março, vai também chegando a ansiedade pelo poster do Festival de Cannes.

image002-1

Em 2017, na sua edição de número 70, a homenageada é a atriz italiana Claudia Cardinale não só por seus mais de 50 anos como atriz, mas também por seu engajamento social. O presidente do juri da competição oficial desse ano é Pedro Almodovar e a mestra de cerimônias é Deusa Monica Belucci.

Estrela de clássicos como O Leopardo e Rocco e seus Irmãos de Visconti,  8 e 1/2 de Fellini, Fitzcarraldo de Werner Herzog e Era Uma Vez no Oeste de Sergio Leone, a foto usada no poster é de Claudia rodopiando em uma saia vermelha. Só que acharam a foto original e estão reclamando do exagero do photoshop feito no poster do Festival.

640_Untitled2_2017_03_30_15_07_17.png

Mega pregui.

E que venham os filmes.

ATUALIZAÇÃO

Deusa Claudia Cardinale se pronuncia lindamente em relação ao poster:

I would like to respond to the false controversy that I have heard concerning the festival’s poster and the remarks some have made regarding the alterations of the image.

I have no comment to make about the artistic work done on this image. It is a poster that, beyond representing me, represents a dance, a flight. This image has been retouched to accentuate the effect of gracefulness and to transform me into a dream; it is sublimation. The concern for realism does not have to be here, and as a convinced feminist, I see no disrespect to women’s bodies.

There are many more important things to discuss in our world. It is only cinema, let us not forget.

(tradução tosca minha

Gostaria de responder à falsa controvérsia que ouvi sobre o cartaz do festival e as observações que alguns fizeram sobre as alterações da imagem.
Eu não tenho nenhum comentário a fazer sobre o trabalho artístico feito nesta imagem. É um cartaz que, além de me representar, representa uma dança, um vôo. Esta imagem foi retocada para acentuar o efeito da graça e transformar-me em um sonho; é sublimação. A preocupação com o realismo não precisa estar aqui, e como feminista, não vejo desrespeito aos corpos das mulheres.
Há muitas coisas mais importantes para discutir em nosso mundo. É apenas cinema, não vamos esquecer.)
Claudia Cardinale

 

47/365 LION: UMA JORNADA PARA CASA

Lion faz parte de uma longa lista de filmes milimetricamente pensados para serem um sucesso em premiações americanas, produzidos pelos irmãos Weinstein e sua patota.

A história é o maior dos dramas: um menino pobre, muito pobre, de uns 7 anos de idade, na periferia de uma cidade pequena da Índia, se perde numa estação de trem e quando se dá conta está do outro lado do país sem saber de onde veio, falando que é nome de sua mãe é algo como “Mama” e que vem de uma cidade cujo nome ninguém conhece.

Ele passa por todos os perrengues que um menino nessas circunstâncias passaria: fome, frio, dorme em qualquer lugar, é perseguido por homens que devem vender crianças, foge da polícia, até que é ajudado por uma mulher que o leva pra casa, dá comida, banho, carinho e ele… foge. Mas apesar de tudo isso, ele é um menino ótimo, tranquilo, bonzinho.

Vai parar numa creche e lá é adotado por uma família australiana.

Ah, esqueci de dizer que para o drama ser maior ainda, a história é baseada em fatos verídicos.

Voltando à Austrália, sua mãe (vivida por Nicole Kidman, da patota dos Weinstein) e seu pai são uns fofos, ensinam o menino a falar inglês, dão uma ótima educação, criação de primeira e até adotam um outro menino indiano, esse bem problemático.

O tempo passa, o menino vira o queridinho da vez Dev Patel que vai estudar hotelaria do outro lado do mundo mas nem por isso para de pensar na sua família indiana perdida, apesar de se considerar australiano.

Ele começa namorar a fodona da Rooney Mara que agita um pouco a sua vida de rapaz introvertido e faz com que ele ache uma forma de procurar sua família indiana no google earth que foi recém lançado.

Bom, o filme é uma novela bem fotografada, com todas as cenas que a gente espera que tenham nessa história de amor, superação e zzzzzzzzz

Preguiça.

Os Weinstein são bem poderosos: por causa deles que Fernanda Montenegro perdeu seu Oscar pra Gwynet, por exemplo.

E os caras são tão cara de pau que conseguiram que o ator principal desse melodrama, Patel, fosse indicado a tudo quanto é prêmio de ator… coadjuvante. Piada, né?

O filme tem feito sucesso por aí, o povo adora esse tipo de coisa e claro, com o dinheiro gasto em marketing pra fazer com que essa história seja o máximo, vai longe com coisas do tipo levar o ator indiano pelo mundo e falar que ele não fala inglês e que é um fofo. Ai ai ai.

Mas não se deixe enganar, LION é como o nome do menino do filme: quando chega ao fim, ele descobre que seu nome era outro e você vai descobrir que o filme não era tudo isso.

Não diga que eu não avisei.

40/365 QUASE 18

Esse é um filme que eu assisti no embalo do outro que passou antes. Ele começou com um play automático e eu fui.

Quase 18 é um filme de high school, adolescentes, menina revoltadinha com a família, professor estranho que dá conselhos bons, sexo (quase), drogas (cerveja e maconha) e um pouco de rock and roll.

Lembra do John Huges de Garota de Rosa Choque e outros? Esse filme é descendente direto dele.

A grande coisa do filme é Hailee Steinfeld: que atriz.

A gente se apaixonou por ela em True Grit dos irmãos Cohen em 2010 quando recebeu uma indicação ao Oscar com 14 anos de idade.

Ela cresceu e tá melhor ainda como a adolescente que era a queridinha do pai e que fica revoltada depois que ele morre e ela tem que viver com a mãe e o irmão mais velho, achando obviamente que só ela tem problemas. A típica adolescente mala.

Na escola ela só tem uma amiga. O menino mais velho que ela gosta não dá a menor bola pra ela. O menino que dá bola, claro, ela nem curte. O professor que poderia ser seu mentor é um Woody Harrelson que não tem a menos paciência pra estar ali.

E o que tem demais esse filme? O roteiro é ótimo com personagens bem construídas e que fazem com que a mais banal das histórias fique interessante.

A adolescente é chata mas tem até porque ser tão mala assim. As reviravoltas da sua vida acontecem de uma forma tão amarradinha que esse filme, que é um drama e não uma comédia besta, tenha me deixado bem impressionado.

Ela sofre, ela chora, ela perde a amiga, ela ganha amigo, ela briga com a mãe, com o irmão, vai na festa dos famosinhos da escola e se fode, tenta transar e se fode, tenta beijar e se fode, é um cagada, coitadinha.

Observação 1: tem coca cola o filme todo, com logo na cara descaradamente, dá até nervoso, mas pelo menos sabemos de onde saiu o dinheiro. Outro patrocinador é a Vans: Hailee só usa Vans o filme todo e o povo elogia os tênis cool dela.

Observação 2: o menino que é afim dela é coreano. Seu personagem é esperto, bonito, gostoso, rico, inteligente. E coreano. Os produtores do filme são coreanos, a lista de nomes é infinda. Sabemos de onde saiu o dinheiro 2. E isso comprova uma invasão coreana que vem ocorrendo por lá, principalmente com os seriados (que eu adoro) Fresh Off The Boat e Dr Ken. Já espero coisas maiores e com mais dinheiro em breve.

Vem ver o Hollywood Portfolio da Vanity Fair.

A minha revista (talvez a única) mais aguardada do ano, a Vanity Fair Hollywood Portfolio, que eles sempre lançam antes do Oscar, acabou de sair com fotos da Annie Leibovitz.

As mais importantes atrizes da temporada, as mais premiadas e as apostas para os próximos anos.

Consegui a capa e as fotos de cada uma das atrizes que estão nela.

Lindeza define.

AJA NAOMI KING-hollywood-portfolio-2017-ss08.jpg
AJA NAOMI KING
DAKOTA FANNING-hollywood-portfolio-2017-ss06.jpg
DAKOTA FANNING
ELLE FANNING -hollywood-portfolio-2017-ss05.jpg
ELLE FANNING
emma-hollywood-portfolio-2017-ss01.jpg
EMMA STONE
AMY ADAMS-hollywood-portfolio-2017-ss12.jpg
AMY ADAMS
JANELLE MONÁE-hollywood-portfolio-2017-ss03.jpg
JANELLE MONAE
LUPITA NYONG’O-hollywood-portfolio-2017-ss11.jpg
LUPITA N’YONGO
natalie-hollywood-portfolio-2017-ss02.jpg
NATALIE PORTMAN
RUTH NEGGA-hollywood-portfolio-2017-ss07.jpg
RUTH NEGGA

capa-hollywood-portfolio-2017-no-coverlines.jpg

Quem esteve no SAG Awards.

Galera foi em peso à premiação que os atores votam nos melhores atores do ano no cinema e na tv lá nos EUA, o SAG Awards, que é o prêmio do sindicato dos atores.

Olha que ganhou:

TV: Melhor Elenco de Drama“Stranger Things”, Melhor Atriz de Drama: Claire Foy, “The Crown”, Melhor Ator de Drama: John Lithgow, “The Crown”, Melhor Elenco de Comédia: “Orange is the New Black”, Melhor Atriz de Comédia: Julia Louis-Dreyfus – “Veep”, Melhor Ator de Comédia: William H. Macy, “Shameless”, Melhor Atriz em Minissérie ou Telefilme: Sarah Paulson, “The People v. O.J. Simpson”, Melhor Ator em Minissérie ou Telefilme: Bryan Cranston, “All The Way”, Elenco de Dublês “Game of Thrones”

CINEMA: Melhor Elenco : “Estrelas Além do Tempo”, Melhor Atriz: Emma Stone, “La La Land”, Melhor Ator: Denzel Washington, “Fences”, Melhor Atriz Coadjuvante: Viola Davis, “Fences”, Melhor Ator Coadjuvante: Mahershala Ali, “Moonlight”, Elenco de Dublês :“Até o Último Homem”.

E agora olha quem foi:

Amy Adams de cu é rola: aqui é Sonia Braga, porra!

Enquanto os coxas cinéfilos reclamam que Regina Duarte americana Amy Adams não foi indicada ao Oscar por A Chegada, este blog reclama que nem Sonia Braga e nem Rebecca Hall foram indicadas.

Parece que o distribuidor americano de Aquarius não inscreveu o filme para ser levado em consideração para as indicações, daí entendo a não indicação.

Mas Rebecca no filmaço Christine é a grande bola fora desse ano.

Screen Shot 2017-01-25 at 11.42.38.png

18/365 ESTRELAS ALÉM DO TEMPO

Depois de ver tanto filme bom e bem dirigido, resolvi assistir um meia boca pra variar, um desses que você sabe como vai ser filmado, como vai ser editado, com um elenco até bom e com uma história até interessante, mas que colocaram o Kevin Costner no meio.

Estrelas Além do Tempo, além do título ruim em português, é tudo o que eu disse aí em cima. O filme conta a história real até então muito pouco conhecida de 3 mulheres negras matemáticas que trabalhando na NASA em pleno início dos anos 60 não só sofriam lá dentro todo o preconceito mas que por uma reviravolta linda, acabam sendo as responsáveis pelo sucesso do primeiro vôo tripulado de uma espaçonave americana na órbita terrestre.

Ufa.

O filme é bacana até, conta essa história de cúmulo do preconceito onde mulher inteligentíssimas eram relegadas a segundo plano e tratadas como secretárias só por serem mulheres. E pior ainda, por serem negras, eram praticamente ignoradas daí não só pelos homens mas pelas mulheres brancas também.

A importância desse filme se dá menos por suas qualidades cinematográficas e sim por sua relevância política neste momento delicado onde Obama sai e entra o misógino Trump.

Um detalhe importante: o trio de atrizes principais, Taraji P. Henson, a oscarizada Octavia Spencer e a estreante nas telonas Janelle Monae estão ótimas em seus papéis de mulheres fortes, resolutas (empoderadas) e arrasadoras. Devem continuar recebendo glórias e prêmios pelo filme.

Hidden Figures, as figuras escondidas do título original, hoje em dia não estão mais escondidas e a última sobrevivente do trio foi condecorada pelo próprio Obama alguns anos atrás. Só que não sabemos o que o futuro reserva para o povo americano.

Mashup de celebridades americanas.

Leonardo Di Caprio com quem mesmo?

O artista Gesichtermix fez um treco engraçado: misturou fotos de celebridades em seu instagram.

Dá pra adivinhar quem tá com quem?