115/365 PERSONAL SHOPPER

Finalmente consegui assistir Personal Shopper, o filmaço do meu diretor francês preferido Olivier Assayas.

Tá bom, de um dos meus diretores franceses preferidos, junto com o Bruno Dummont, o François Ozon, o…….

Imagino o Assayas chegando na produtora dele depois do sucesso retumbante do puta filme (sim, eu amo mesmo) Nuvens de Sils Maria e falando: quero fazer uma filme de fantasmas.

Com a Kristen Stewart.

Bem fashion.

Vou filmar em Paris, Milão, Londres e em Omã.

E pimba.

Acertou na mosca de novo.

Assayas vem recolhendo louros e mais louros ultimamente.

Com Personal Shopper ele foi premiado em Cannes do ano passado como melhor diretor, dividindo o prêmio com o romeno Cristian Mungiu do meu outro preferido Bacaleaureat.

Com Nuvens, Kristen Stewart ganhou o Cesar, “o Oscar francês” de melhor atriz coadjuvante falando inglês. Foi um escândalo quase tão grande quanto o da Isabelle Adjani vencendo com Rainha Margot e lendo os Versos Satânicos ao vivo, quando o Rushdie estava fugindo dos muçulmanos.

Aliás, Nuvens foi o filme que tirou de vez a cara de vampira da Kristen e Assayas, esperto, já engatou outro e ela tá melhor ainda, sem aqueles trejeitos chatinhos e adolescentes, inclusive com cenas nuas pra acabar com tudo de vez.

Kristen faz a personal shopper do título, uma americana em Paris que faz compras de roupas e joias pra uma ricaça importante, jet setter, que viaja pra cima e pra baixo em festas  e cuida de uma fundação que ajuda gorilas e por isso (tadinha) não tem tempo de ir às lojas experimentar e escolher roupas.

No meio disso tudo, ela tenta se comunicar com seu irmão gêmeo morto. Eles combinaram que quem morresse primeiro mandaria mensagem do outro mundo pra quem ficasse. E ela e seu irmão são médiuns, enxergam fantasmas, sentem presenças e outras  coisas, o que ajudaria a receber a mensagem.

Um dia, indo de Paris de trem para Londres buscar as últimas criações de um designer fodão, ela recebe umas textos no celular de alguém que sabe exatamente o que está acontecendo com ela e quando ela pergunta quem é, pergunta também se é alguém vivo ou morto.

Esse “fantasma do celular” vai literalmente assombrar a vida da jovem.

Parece tudo confuso mas é um pouco mesmo.

Uma história surreal dentro de uma rotina besta de uma americana em Paris.

Nada bizarro pra um puta diretor que faz Cinema com C maiúsculo.

Viva mestre Assayas.

 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: