Charlotte Rampling é Deus!

Vamos falar de atriz boa: Charlotte Rampling.

Na minha opinião ela é a grande atriz do cinema hoje em dia.

Faz tudo quanto é tipo de filme e sempre faz bem.

Vem filmando com todos os grandes diretores há mais de 4 décadas sem parar.

Inglês, francês, alemão, português, ela fala tudo e bem falado.

É linda, é boa, tem o olhar mais triste do cinema e um dos mais poderosos.

E há tempos merece um grande reconhecimento, um grande prêmio e o povo fica falando só da Judi Dench.

(Nada contra Dame Judi, mas por favor, né)

É a mesma coisa no Brasil: temos a Nathália Timberg, Deusa acima de tudo e o povo só fala de Fernanda Montenegro.

De novo, nada contra Fernando, mas vamos dar o devido valor à Nathalia.

“45 Anos”, o mais recente filme que Charlotte estrela poderia ser mais um filminho inglês com pinta de francês e mais nada.

Só que a atuação dessa mulher, da primeira à última cena, é um absurdo.

E já vou falando: ele tem o melhor ator ao seu lado, o também inglês Tom Courtenay que dá outro show de verdade nesse filmeco (e não por nada os 2 ganharam prêmio de melhor atores no Festival de Berlim ano passado).

Filmeco que ele conta a história de um casal na semana que vai completar 45 anos de matrimônio.

Em meio aos preparativos da festa, ele recebe uma carta do governo alemão dizendo que achou o corpo congelado de sua “esposa” morta 50 anos atrás por cair numa fenda numa montanha.

E a calmaria e a rotina e a lucidez dos 45 anos de convivência vai abaixo.

A personagem de Charlotte entra numa paranóia indescritível.

Claro que a sutileza e a delicadeza dela não deixa transparecer num primeiro momento nem pra nós espectadores e muito menos para seu marido.

Mas aos poucos a “nóia” vai corroendo essa tranquilidade toda até o ápice que é a melhor sequência do filme, a sequência de encerramento, já na festa.

Sem proferir uma única palavra, Charlote mostra o quanto os seus 50 anos de carreira renderam.

(Aliás, melhor sequência final de filme do ano junto com a sequência do alemão “Phoenix”, mas dele eu falo em outro post logo)

Amo a Cate Blanchett em “Carol”, amo a Alicia Vikander em “A Garota Dinamarquesa”, amo todo mundo mas galera, Charlotte Forever (aliás, título de meu filme preferido do Gainsbourg).

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: