“Intouchables” o filme alto astral do ano!

Essa semana falando via skype com minha filha que tá lá num outro hemisfério, ela disse pra eu assistir urgentemente esse filme francês “Intouchables”.
Disse que era o melhor filme que ela viu recentemente e lá fui eu atrás.

Não sabia exatamente o que esperar, as dicas da Isabella são bem ecléticas. Mas sempre certeiras.
O filme é lindo.
É um filme do tipo que há tempos eu não via, filme pra cima, bem humorado, com história legal baseada em fatos verídicos.
Tudo isso sem ser piegas, acredita?
“Intouchables” conta a história de um milionário francês que num acidente de paraglider fica tetraplégico e perde sua esposa.
Ele precisa de um assistente particular pra ficar com ele o tempo todo e numa batelada de entrevistas acaba contratando um cara grosseiro e que vem dos subúrbios franceses para ser sua sombra.
Uma das coisas legais da história é a sensibilidade do milionário em ver no suburbano alguém que pudesse trabalhar bem pra ele.
Só que o que ele não esperava é que a falta de sutileza, que os modos quase grosseiros e que a ingenuidade do cara fossem fazer tanta diferença pra ele, um cara sempre tão paparicado, onde todos os seus desejos são realizados sem serem nunca questionados.
O suburbano vem pra questionar e da mesma forma que muda um pouco o outro, é mudado por um estilo de vida melhor, por hábitos mais saudáveis e por música, arte vindos de uma forma diferente de como estava acostumado a receber.
Daí no meio do filme, quando os dois se dão bem, quando cenas bacanas são mostradas, quando a vontade de chorar veio na garganta umas 3 vezes pelo menos, eu já imaginei o quanto eu sofreria com o final do filme.
Claro que não vou contar, mas o filme surpreende até nisso. Na verdade, a vida real surpreende na história desses caras, desses dois mundos que colidem e criam um mundo bacana, animado, onde a troca de experiências acontece de forma bem humorada sempre e absolutamente sem o tom politicamente correto que seria tão fácil ter num filme desses.
É na verdade uma liçãozinha de vida, um tapa na cara dizendo “ow, se liga” mas de novo sem ser piegas, sem cagar regras, mostrando o quanto a vida pode ser mais bacana se a gente se esforçar um pouco, se a gente quiser aprender com o outro.
Não sei se esse filme vai passar por aqui, mas deveria. História boa, bem filmada e com o par de atores como a muito eu não via: François Cluzet e Omar Sy com certeza fazem os papéis das vidas deles.
Valeu Bébs!

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: